XIX – O Serviço de Deus - O modo prático de servir a Deus



III – O modo prático de servir a Deus


Deveis:


1 – Romper logo a amizade com o demônio


Deixai os maus companheiros e os maus hábitos... e readquiri a graça de Deus com uma boa confissão. Não digais: fá-lo-ei mais tarde, aos poucos. Deve-se fazer isso imediatamente. Dizei também: “Agora começo: essa minha transformação vem da direita do Altíssimo (Sl 76,11).


E não deveis meter na cabeça que para servir a Deus é preciso afinal levar uma vida triste e melancólica. Isso é um engano em que o demônio faz cair muita gente. Não, não. Para se ser fiel servo de Deus não é absolutamente necessário cessar de rir e de se divertir. “Servi o Senhor na alegria”, diz o Espírito Santo (Sl 99,1). A única coisa da qual vos deveis abster é o pecado. Isto sim, que é causa de tristeza: disse-o Deus (Is 48,22). São Luís Gonzaga, São Vicente de Paulo, São Filipe Néri, não foram por ventura alegres?


2 – Orar


Com a oração ficareis facilmente na graça de Deus.


a) Pela manhã, assim que sairdes do repouso, levai logo o pensamento a Deus e dizei bem as vossas orações. Depois dizei ao Senhor: Eu, rezar-vos-ia mais devo, porém, atender às minhas obrigações, ao estudo, à escola, ao trabalho.


b) Durante o dia lembrai-vos amiúde de Deus, e recitai alguma jaculatória.


c) À noite, antes de vos deitar, agradecei ao Senhor o bom dia que vos concedeu; depois ponde-vos na cama com algum pensamento bom.


3 – Oferecer a Deus as ações


Todas as obras que fizerdes (o estudo, o trabalho e até o honesto divertimento) oferecei-as a Deus. Tais coisas valerão como orações. Com a boa intenção torná-las-ei mais aceitas pelo Senhor, adquirindo com isso muitos méritos.


A agulha de coser – João Soto, irmão leigo da Companhia de Jesus, em vida era alfaiate; mas o seu trabalho era oração, porque fazia unicamente para servir a Deus. Na hora da morte, depois de receber os Sacramentos, pediu uma agulha, e mostrando-as aos confrades, disse: “Eis a chave que abrir-me-á a porta do Paraíso”. Queria dizer: Com o humilde trabalho manual, a Deus dirigido, ganhei o Céu.


Vêdes? Todo mundo se pode santificar, servindo o Senhor em sua profissão: o operário usando o martelo, o mecânico, o agricultor, o advogado, o médico, o escolar...; desde que se faça tudo com intenção reta; porque Deus olha mais para os corações do que para as obras (1 Reis 16,7)


4 – Oferecer os padecimentos


Tudo que sofreis, o frio, o calor, a fadiga, a pobreza, as doenças, a desonra, as ofensas que vos forem feitas pelos demais... oferecei tudo ao Senhor, dizendo-lhe: Seja tudo por amor a Vós.


5 – Lutar contra as tentações e as paixões


“A vida do homem na terra é uma guerra”, diz Jó (7,1); por isso devemos sempre lutar com inimigos que nos fazem a guerra; tais inimigos são as nossas paixões e tentações. Jesus Cristo disse, claramente que o Reino dos Céus se conquista com os esforços e tê-lo-ão os que se fazem violência: Regnum coelorum vim patitur, et violenti rapiunt illud (Mt 11,12). Talvez seja um pouco dura essa luta: mas lembrai que tendes sempre ao lado Deus que vos assiste, e em que deveis confiar. Assim obereis a vitória.


Conclusão


Resolução, pois, e coragem. Diga cada qual: “Doravante quero servir realmente o Senhor”. E quando o demônio vos convidardes para o seu serviço, deveis dizer: “Vai para longe de mim, Sanatás!” (Mc 8,33). Nunca mais terás o que fazer comigo. Aquele a quem servirei é Deus; a Ele terei eu como Senhor único do meu coração, na observância da sua lei; porque só ele me pode tornar feliz nesta e na outra vida”.


Sim, ó queridos filhos, “sirvamos todos a Deus com santidade e justiça perante ele, por todos os dias de nossa vida” (Lc 1, 74-75).


(Extraído do livro A Palavra de Deus em Exemplos, G. Montarino,

Do original La Parole di Dio per la Via d’Esempi)